Portugal entrou em fase de mitigação 3.2

Portugal entrou em fase de mitigação 3.2

Covid-19. Portugal entrou esta quinta-feira na fase de mitigação da doença, mais propriamente na fase 3.2 do Plano Nacional de Resposta à Doença, aquela em que se admite que a contaminação existe já a um nível que é comunitário. E, por isso, algumas regras mudam, segundo a Norma 004/2020, divulgada pela Direção-Geral de Saúde (DGS). E são aplicáveis a todo o sistema de saúde: público, privado e social.

Fonte: Direção-Geral de Saúde

Com as novas regras passa a ser caso suspeito quem tiver um destes sintomas:
– tosse persistente ou agravamento de tosse habitual;
– febre igual ou acima dos 38ºC;
– dispneia ou dificuldade respiratória.
Antes, nas fases anteriores, só era considerado caso suspeito quem:
– apresentasse mais de um sintoma relacionado com a doença Covid-19
– tivesse tido uma ligação com uma zona de risco
– tivesse tido um contacto próximo com um caso confirmado.

De acordo com a avaliação que for feita, após contacto com a Linha SNS24 ((808 24 24
24) ou linhas telefónicas criadas pelos centros de saúde, o doente pode ser encaminhado para:

– Permanecer em modo de autocuidado, com isolamento em casa e sob vigilância, em caso de sintomas ligeiros;
– Fazer avaliação médica em Área Dedicada Covid-19 (ADC) no centro de saúde, em caso de sintomas moderados;
– Realizar avaliação médica em ADC no serviço de urgência, em caso de sintomas graves;
– Para ligação directa com o INEM, em caso de urgência.

Segundo a nova norma, todos os casos suspeitos devem agora ser testados. Se isso não for possível, no imediato, a norma define prioridades:

– Doentes com critérios de internamento hospitalar;
– Recém-nascidos e grávidas;
– Profissionais de saúde sintomáticos
– Doentes com outras patologias como Doença Pulmonar Obstrutiva Crónica (DPOC), asma, insuficiência cardíaca, diabetes, doença hepática crónica, doença renal crónica, cancro (doença activa) ou estados de imunossupressão;
– Doentes em situação de maior vulnerabilidade, como residência em lares e unidades de convalescença;
– Doentes com contacto próximo com pessoas com as doenças acima descritas.

CLIQUE NESTE LINK PARA LER A NOVA NORMA DA DGS NA ÍNTEGRA

Fonte: Direção-Geral de Saúde